Obra de Promoção Social do Distrito de Coimbra vai explorar creche na Sé Velha

O executivo da Câmara Municipal de Coimbra (CMC) aprovou, por unanimidade, na sua reunião de segunda-feira, o relatório final do concurso público para atribuição do direito de exploração de um imóvel para serviços de creche, com berçário e infantário, situado no Largo da Sé Velha n.º 30 e Largo da Carqueja n.º 3, no centro histórico da cidade. O júri do concurso – composto por elementos da CMC – propõe atribuir o direito de exploração à Obra de Promoção Social do Distrito de Coimbra, pelo valor mensal de 504,30 euros (já com IVA incluído).

Depois de analisadas as duas propostas apresentadas no concurso público e, de acordo com o critério de escolha da proposta economicamente mais vantajosa, o júri decidiu adjudicar o direito de exploração da creche à Obra de Promoção Social do Distrito de Coimbra.

O espaço, requalificado no âmbito da revitalização do centro histórico da cidade e cofinanciado pelo Programa Operacional Regional do Centro – Mais Centro, foi intervencionado com o objetivo preciso de instalação de uma creche.

Deste modo, o imóvel encontra-se habilitado para a valência de creche – 7 crianças no berçário; 9 crianças com idades entre a aquisição de marcha e os 24 meses; e 13 crianças com idades entre os 24 e os 36 meses – e para a valência de infantário – duas turmas, uma com 22 crianças e outra com 19 (ou 20, se for considerado necessário) –, respetivamente, pela Segurança Social e por um parecer prévio da Direção Regional de Educação do Centro (DREC), atual Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE).

Nasce assim um novo equipamento socioeducativo destinado a satisfazer a necessidade de respostas de quem habita ou trabalha na Alta e Baixa de Coimbra. Nesse sentido, a CMC optou por ceder a exploração do espaço à IPSS que entregasse a melhor proposta global, tendo sempre em conta a resposta educativa e social dada às crianças que residam ou cujos pais desenvolvam a sua atividade profissional na área de implantação do imóvel e oriundas de agregados com fracos recursos económicos.