CMC apoia financeiramente a Encontros de Fotografia e a Associação Ecos do Passado

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Manuel Machado, assinou hoje dois protocolos de apoio financeiro que totalizam 178.000 euros. A maior fatia, 170.000 euros, vai para a Encontros de Fotografia (EF) - Associação Cultural e Recreativa e os restantes 8.000 euros para a Associação Ecos do Passado (AEP). As duas assinaturas, que contaram também com a presença da vereadora da Cultura, Carina Gomes, decorreram no gabinete do presidente da CMC. 

Trata-se de dois tipos de apoio distintos. No caso da EF, configura um Apoio Financeiro Municipal ao Associativismo Cultural para Atividade Permanente, para 2017 e 2018, a uma entidade que gere um equipamento cultural municipal, neste caso o Centro de Artes Visuais (CAV). O apoio financeiro da CMC representa 65.000 euros/ano para o desenvolvimento da atividade regular da associação e 20.000 euros/ano para apoio às despesas de funcionamento do CAV.

Já o protocolo celebrado com a AEP refere-se a um Apoio Financeiro Municipal ao Associativismo Cultural para a Realização de Atividade Pontual Relevante, neste caso, o “V Ciclo de Requiem - Coimbra 2017”. 

O protocolo entre o Município e a EF, assinado por Albano Silva Pereira, presidente da direção, visa dotar este último organismo de condições necessárias ao normal desenvolvimento da sua atividade de criação artística e programação na área das artes plásticas e visuais, em Coimbra.

Com a assinatura do documento, a EF compromete-se a cumprir um plano de atividades que se paute por critérios de qualidade e exigência artística e que deverá contemplar, nomeadamente: a divulgação e promoção da arte contemporânea nas suas diversas vertentes; a promoção de novos projetos e o acolhimento de projetos emergentes; a definição clara de estratégias de mediação de públicos e a inclusão de serviço educativo; a apresentação de estratégias que assegurem a continuidade e a solidez do projeto; a apresentação de programação regular no espaço [Centro de Artes Visuais], demonstrando articulação adequada entre as produções próprias e as iniciativas externas acolhidas; a integração da atividade desenvolvida na dinâmica cultural da cidade, de forma a que o equipamento [Centro de Artes Visuais] constitua um polo de atração, contribuindo para a vitalidade da área em que está inserido; e a dinamização frequente do equipamento com outras iniciativas complementares que atraiam grande quantidade de públicos.

Recorde-se também que, se as despesas de funcionamento do Centro de Artes Visuais ultrapassarem substancialmente o apoio concedido pelo Município, desde que tal seja comprovado com a apresentação das respetivas faturas e, se solicitado, a CMC poderá ainda conceder um apoio pontual suplementar, até ao limite de metade do apoio já concedido para este efeito. Ou seja, mais 10.000 euros/ano.    

No caso da AEP, o protocolo, assinado pelo presidente da direção, Artur Pinho Maria, permitirá que esta associação organize o V Ciclo de Requiem - Coimbra 2017, através da realização de 5 concertos, nos dias 25 de março e 1, 2, 8 e 14 de abril. 

Através do Coro Sinfónico Inês de Castro (CSIC), a AEP tem desenvolvido uma intensa atividade em benefício da cultura musical, valorizando a vertente pedagógica, promovendo os jovens músicos/talentos e conferindo apetência para ouvir e apreciar música erudita. Fruto deste trabalho, o programa “Ciclo de Requiem”, no seu quinto ano consecutivo, tem contribuído para o enriquecimento cultural da cidade de Coimbra e para o seu posicionamento no panorama musical nacional.

O CSIC conta com cerca de 90 elementos e está sediado na cidade de Coimbra. Como único coro sinfónico aqui residente, tem desenvolvido um trabalho consistente e de qualidade que tem merecido o elogio não só de diversas figuras da música portuguesa, como do público em geral.