Convento São Francisco acolheu grande concerto da Orquestra Metropolitana de Lisboa

O grande auditório do Convento São Francisco (CSF) recebeu, no sábado, o concerto da Orquestra Metropolitana de Lisboa, promovido pela Câmara Municipal de Coimbra (CMC). O espetáculo atraiu muito público, que praticamente lotou o grande auditório do CSF.

Conduzida pelo maestro Jonas Alber, a Orquestra Metropolitana de Lisboa trouxe a Coimbra um concerto denominado “Para Lá de Shubert“. O programa incluiu a interpretação da melhor sinfonia do sueco Franz Berwald, que nasceu apenas um ano antes de Shubert e morreu um ano depois de Berlioz. “Sinfonia N.º 3, A Singular”, data de 1845, e distingue-se por uma unidade estilística irrepreensível entre os três andamentos, uma orquestração transparente, uma ousadia formal que prenuncia os grandes sinfonistas de finais do século XX.

Do programa constou também “Sinfonia N.º 9 em Dó Maior, D.944, A Grande”, de Schubert, superiormente executada. Ao recordarmos Schubert teremos de nos focar na sua condição humilde e nas depravações que o conduziram à doença, para depois realçar que tal não o impediu de completar obras de arte sublimes, como esta Grande sinfonia, terminada apenas oito meses antes de uma morte prematura, em 1828.

A Orquestra Metropolitana de Lisboa mantém uma programação regular desde 1992, comemorando, este ano, 25 anos de vida. Os seus músicos asseguram uma intensa atividade na qual a qualidade e versatilidade têm presença constante, permitindo abordar géneros diversos, proporcionando a criação de novos públicos e a afirmação de caráter inovador do projeto AMEC | Metropolitana, de que esta orquestra é a face mais visível.